home ask twitter
I don't care
" I think I finally had enough I think I maybe think too much"
“Mas quando você não consegue falar a verdade para as pessoas com quem mais se importa no mundo, eventualmente deixa de conseguir dizer a verdade para si mesmo.”
~ Cidade das Cinzas.   (via velejo)

“Quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito. Para cobrir esta distância precisam gritar para poder escutar-se. Quanto mais aborrecidas estejam, mais forte terão que gritar para se escutar um ao outro através desta grande distância… O que sucede quando duas pessoas se enamoram? Elas não gritam, mas se falam suavemente. Por quê? Porque seus corações estão muito perto. A distância entre elas é pequena… Quase não falam, somente sussurram, e ficam cada vez mais perto do seu amor… Portanto, quando discutirem, não deixem que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais. Chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta.”
~ Clarice Lispector  (via velejo)

“Na dança do amor: dor pra cá, dor pra lá.”
~ Eu me chamo Antônio.   (via velejo)

“Guarda chuva.
Guarda tua chuva interior.
Que tem cheiro de saudade molhada.”
~ Amsterdã, 1957.    (via velejo)

“Chorei, chorei, até ficar com dó de mim.”
~ Chico Buarque.    (via velejo)

“Não me ignore, não me deixe. Mas se for pra ignorar algo, ignore minhas birras, e se for pra me deixar, me deixa ficar ao teu lado sempre que os problemas aparecerem.”
~ Camila Barroso. (via velejo)

“Acredita que ela não sabia que existe mesmo esse troço de estrela cadente? Então sugeri que deitasse a nuca na minha coxa e fixasse os olhos num ponto. Até que ela viu, lá distante, de relance, sem muita certeza. Aí largou um sorriso lacrimejante. Foi aí que a gente encostou os lábios. Foi bonito. Depois conversamos mais um pouco, pensamos coisas separadamente, fizemos mais alguns silêncios. E retornamos vivos para casa.”
~ Gabito Nunes   (via velejo)

“Que mundo é esse em que vivemos… onde é mais fácil quebrar o núcleo de um átomo do que um preconceito.”
~ Albert Einstein.   (via velejo)


“Quantas vezes eu não senti vontade de sair do corpo e encarnar um objeto sem vida. Um lápis talvez, ou qualquer coisa inanimada, silenciosa, parada, sem vida. Pois era assim que eu me sentia. Mas passou. Eu chorei, as lágrimas acabaram, tudo acabou. Meus olhos secaram, e eu descobri a inutilidade de chorar por coisas que não valiam à pena. A dor é igual um barco que você observa da praia, parece que está parado, você se distrai com outra coisa, e quando vai ver o barco está longe. Se você estava sentindo uma dor quando começou a ler isso, agora ela é menor do que antes. É difícil de acreditar quando se está mal, tudo vira dúvida, mas eu entendo. Você pode não saber, mas supera. Sua cama parece o melhor lugar, então deite, durma, esqueça. Ou não esqueça, mas deite e coloque sua música predileta no fone, escute e ignore um pouco essa sua vontade de sair por ai, gritando aos sete ventos metade das coisas que sente. Não é errado não saber tudo, só não se esqueça de saber o essencial, que é esquecer. Tudo passa, e não são só os momentos perfeitos. Por mais que a dor te lembre e te incomode, ela nunca diz a verdade completa… Ela nunca diz que vai passar.”
~ Sean Wilhelm.   (via velejo)


“Quantas coisas cabem em um olhar!
É tão expressivo, é como falar.”
~ Clarice Lispector  (via velejo)



“Do que eu tenho medo? Deixa eu ver. Sei lá, de repente de chegar um dia e ver que foi tudo em vão, que não valeu a pena, cada gesto ou cada ação, cada investimento e concessão. Sabe aquela cena clássica no restaurante? Os dois jantando em silêncio, a mulher olhando para os lados atrás de casais iniciantes, mais felizes e vivazes que o relacionamento dela, o homem com o olhar atrás de um traseiro mais durinho. Eu tenho medo de um dia acordar e sentir que acabou.”
~ Gabito Nunes.  (via velejo)